O bispo Januário Torgal Ferreira, considera que ao invés da subida do salário mínimo, o governo deveria preocupar-se com quem nada têm para viver.

Em entrevista à TSF, o bispo afirmou que: “Lançam as mãos à cabeça com a subida de um salário mínimo. Porque é que não se preocupam com gente que não tem o suficiente, na prática, para viver?“, questionou o bispo emérito.

Acho que era aqui que devíamos por o acento para o desenvolvimento integral“, referiu, “os pobres menos pobres e os ricos, com certeza, podem ser mais ricos, mas que partilhem! Se não partilham, o Estado tem a obrigação moral de lhes cortar a colecta“.

Defende, porém, que o acordo de governação dos partidos de esquerda já foi uma mais valia. Porém: “Não fomos ainda até ao fim, há determinadas coisas que deveriam ir mais longe“, frisou.

O bispo emérito mostrou-se ficou ainda surpreso com a dimensão dos incêndios que atingiram o país em 2017 e com o roubo de material militar do quartel de Tancos.

Ele que foi bispo das Forças Armadas durante quase três décadas nunca teve conhecimento de qualquer falha de segurança e, como tal, aborda motivações políticas em ambos os casos.

Também vais gostar destes:
“Bispo” da IURD ensina como se deve fazer para roubar os fiéis…
Tolerância de ponto para ver o Papa Francisco.

Tendo estado nas Forças Armadas durante 28 anos, nunca vi a mínima inquietação quanto aos paióis, nunca houve problema”, declarou. “Isto foi uma jogada política contra o Governo“.