Muitas mulheres reconhecem a endometriose como uma doença grave, sim, mas que atinge apenas os arredores do útero. No entanto, pode afetar também outros órgãos, alguns na pelve, como intestino e bexiga, e outros mais distantes, como pulmões e até cérebro.

Como a endometriose se espalha para os órgãos

Os sintomas variam de acordo com o órgão acometido. O baço é o único órgão em que ainda não foram descritos casos da doença. A hipótese é que, por ser um órgão que trabalha com o sistema imune, ele não seja atingido.

Endometriose no intestino

Uma das mais comuns “migrações” da endometriose é em direção ao intestino, local em que ela pode gerar sintomas como dor abdominal, sangramento retal, constipação e diarreia.

A endometriose também pode gerar risco de obstrução intestinal e dificultar a gravidez, uma vez que a presença de nódulos profundos de endometriose no órgão causa a secreção de substâncias inflamatórias e irritativas dentro da barriga. Estas, por sua vez, podem causar problemas na motilidade tubária e no próprio processo da ovulação.

Endometriose no nervo ciático

De acordo com o ginecologista Marco Aurelio Pinho de Oliveira, a endometriose é encontrada cada vez mais na região dos nervos da pelve. “O nervo ciático pode ser afetado quando existe infiltração deste nervo pela endometriose e a mulher pode referir dor intensa na região lombar e na parte posterior da coxa, com possibilidade de se irradiar para a perna”, explica.

Outros nervos também podem ser afetados, como o nervo pudendo – que vai para a região do períneo – e os nervos glúteos, que correm em direção à região glútea.

Endometriose na bexiga

Quando a endometriose acomete a bexiga, pode haver dor ao urinar e sensação de irritação na bexiga, parecido com o que ocorre nas infecções urinárias. “O nódulo de endometriose neste órgão pode crescer e atingir os óstios ureterais (locais por onde a urina chega na bexiga, vinda dos rins) e, caso isso ocorra, é possível que haja dilatação do rim e, com o passar do tempo, perda total da função renal”, explica o ginecologista.

Endometriose no cérebro

Quando a endometriose atinge o cérebro, dependendo da região cerebral afetada, pode haver hemorragias e sequelas neurológicas, além de dores de cabeça e convulsões. Esse acometimento, no entanto, é raríssimo e existem poucos casos descritos na literatura.

Endometriose no apêndice

Quando a endometriose envolve o apêndice, a paciente pode ter sintomas ou não. “É possível que haja uma dor crônica à direita, perto do umbigo, que pode piorar com a proximidade do período menstrual”, explica o médico.

Endometriose no pulmão e tórax

Normalmente, os focos endometriais atingem o pulmão e o tórax por via sanguínea, mas, em algumas situações, eles podem chegar através do diafragma que, por sua vez, pode ser afetado pelo tecido endometrial circulante no sangue dentro do abdome após cada menstruação.

Quando atinge o pulmão, a endometriose pode causar sangramento nesse órgão e tosse com sangue. Também pode ocorrer o pneumotórax, especialmente quando o foco atinge as pleuras, que é a entrada de ar entre as membranas que cobrem a superfície do pulmão.

Endometriose no diafragma

Apesar de pouco frequente, algumas mulheres podem ter endometriose no diafragma, músculo que separa o abdome do tórax e é muito importante para a respiração. Um sintoma que pode decorrer da endometriose no diafragma é a dor intensa no ombro direito ou nas regiões próximas do pescoço no período menstrual.

Também vais gostar destes:
Mulher revela receita que a livrou de um cancro no útero.
Como curar a infecção urinária em apenas 5 horas.

Endometriose em outros órgãos além do útero: como é tratado?

O ginecologista Marco Aurelio explica que o tratamento dos focos à distância é feito de maneira semelhante ao da endometriose situada na pelve. Caso o foco não seja muito grande, o controle pode ser feito com medicamentos hormonais, que normalmente inibem a menstruação.

A cirurgia é indicada em casos específicos: quando o foco é muito grande e o tratamento medicamentoso já não é mais suficiente ou em situações em que existe risco de obstrução intestinal ou dilatação dos rins por acometimento da bexiga.