São estes os 10 alimentos deveriam cair mais nos nossos pratos por uma questão de saúde.

QUINOA

A semente que pode acabar com a fome

Possui 14% de proteínas e é rica em aminoácidos essenciais (os que só se costumam encontrar na carne, peixe, ovos, leite ou soja) e em vitaminas (A, B6, B1, E e C), minerais (cálcio, fósforo, cobre, magnésio, cloro e zinco) e ácidos gordos.

São ricas em ómega 3, vitamina E, magnésio, fósforo, potássio, cálcio e ferro. De sabor suave, combinam bem com iogurte, saladas, refogados de legumes ou de carne, arroz e até sopa.

SEMENTES

Aos poucos, os portugueses foram introduzindo as sementes, que normalmente nos chegam da América do Sul ou da Ásia, nos seus pratos. E de tal forma se encantaram com as suas fibras, vitaminas e minerais, que abusaram.

À parte dos excessos, há que realçar a sua versatilidade, porque têm pouco sabor. Na verdade, alteram mais a consistência das receitas do que propriamente o seu paladar. Abóbora, sésamo, chia, girassol e linhaça são os exemplos mais comuns.

CURCUMA

Dizem que as propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias, antivirais, antibacterianas, antifúngicas e anticancerígenas desta raiz podem desempenhar um papel importante na prevenção e tratamento das doenças inflamatórias crónicas.

A curcuma reduz as células de gordura acumuladas, inibe a absorção de colesterol nocivo, ajuda a equilibrar os níveis de açúcar, minimiza os efeitos dos excessos dos hidratos de carbono e mantém a saciedade.

AVEIA

Tem cálcio, ferro, proteínas, vitaminas, hidratos de carbono e fibra solúveis.

É muito utilizada em dietas de emagrecimento, mas também deve fazer parte de um regime saudável, especialmente se se quiser ficar longe de níveis elevados de colesterol ou de tensão arterial.

MICROALGAS

Recebe-se uma dose generosa de vitaminas (A, E, K e complexo B), ferro e clorofila. É também considerada um anti-inflamatório e um estimulador do sistema imunitário.

São uma excelente fonte de ferro, zinco e selénio, assim como aminoácidos e proteínas.

QUEIJO QUARK

A sua grande vantagem é não ter muita gordura (há versões 0%), que contrasta com o elevado teor de proteína. É uma ótima opção para aqueles que procuram aumentar a massa muscular. Como é rico em cálcio, favorece a boa saúde óssea.

TRIGO SARRACENO

O trigo sarraceno pode ser um substituto da carne e do peixe, dados os seus elevados níveis de proteína.

Uma chávena de trigo sarraceno fornece 34% da dose diária recomendada de magnésio, mineral essencial para a saúde muscular. Ajuda ainda a prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares e diabetes, pois tem impacto nos níveis de açúcar no sangue.

COCO

Pela quantidade elevada de minerais, vitaminas e propriedades antioxidantes, pode ser consumido de forma moderada e incluído numa dieta diversificada.

A água de coco, só para usar o exemplo mais conhecido, é extremamente diurética e contém níveis elevados de potássio. Além disso, ainda fornece zinco e manganésio.

GENGIBRE

Ou uma pitada de picante

Trata-se de um alimento termogénico – acelera o metabolismo, fazendo com que este gaste mais energia, proporcionando perda de peso. Além disso, também já se provou que esta raiz de toque picante é rica em propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Na sua versão seca (a mais utilizada), é rico em manganésio. Diz-se que ajuda no tratamento de enjoos e náuseas, pois facilita a digestão das gorduras.

Também vais gostar destes:
Alimentação emocional, a comida que “preenche o vazio”
Vê como o tipo de sangue determina a alimentação e o que comeres segundo a dieta do sangue

ABACATE

A sua polpa macia é uma fonte de gorduras saudáveis, daquelas com propriedades anti-inflamatórias, capazes de aumentar o colesterol bom e combater o mau. O abacate tem alto teor proteico, muitas vitaminas e triptofano, um aminoácido que trabalha na síntese da serotonina, a hormona do bem-estar.

Ajuda a hidratar a pele e os cabelos e a melhorar a circulação sanguínea. Também atua como antioxidante e melhora o controlo do colesterol.

FONTEVisão