O homem entrou numa joalharia juntamente com uma mulher atraente e super bonita. Já lá dentro ele disse-lhe que escolhesse aquilo que mais gostasse sem olhar ao valor da jóia.
Ela feliz observou todas as joias, experimentou anéis, colares, pulseiras e acabou por se decidir pelo colar que rondava o mero valor de 5.500 euros. O homem solicitou ao vendedor que embrulhasse e quando questionado como iria realizar o pagamento ele tirou o livro de cheques do bolso e preencheu-o. O vendedor apreensivo olha para o cheque e examina-o ao pormenor.
O cliente apercebendo-se do seu constrangimento, não hesitou e perguntou:
– Apercebo-me de que está um pouco preocupado não é?
Acha que pode haver sacanice e o cheque está sem fundo, certo?
Eu percebo bem a sua preocupação. No seu lugar estaria igualmente preocupado dado o valor que custa este colar de rubis. Fazer fazer assim: Como hoje é o último dia útil da semana e o banco já está fechado deixo o cheque e a jóia consigo até Segunda-feira. Nesse dia você vai ao banco e e levanta o dinheiro e posteriormente faz a entrega da jóia na casa desta bela senhora, combinado?

Todo contente e sem saber como agradecer o vendedor fica eufórico com a atitude do cliente agradecendo-lhe pelo facto de compreender tratar-se de um valor elevado. Já no inicio da semana o vendedor contacta telefonicamente o cliente a dizer que só poderia ter existido algum engano já que o cheque estava realmente sem fundos. Foi então que o cliente ainda com voz de sono responde:
Sem stress amigo. Rasgue esse cheque porque eu já aviei a moça!