“Abraça os teus pais enquanto estão aqui”

“Segura o teu filho no colo/ sorri e abraça os teus pais enquanto estão aqui…” é o trecho que mais me comove, justamente por ir de encontro ao que acredito.

A vida passa num segundo. Num instante estamos vivendo as primeiras histórias, e no instante seguinte estamos nos despedindo de quem amamos.

É preciso não adiar os abraços que temos a oferecer, os colos que podemos proporcionar, os sorrisos que podemos distribuir, os beijos que podemos dar.

A vida não espera termos maturidade suficiente até que possamos valorizar um terno abraço em nossos pais ou um colo de urso aos nossos filhos.

É preciso sugar o tempo com sabedoria. Entender que trabalho, compromissos e obrigações são importantes, mas jamais poderão ser tratados como prioridades.

Priorizar é reconhecer aquilo que é essencial, o que tem valor, o que deve vir em primeiro lugar. É autorizar a presença de alguém em nossa vida e, ao perceber que esse alguém tem importância, zelar pela relação com respeito, cuidado e carinho.

É entender que o tempo leva embora pessoas que nos são caras, e por isso não devemos atrasar nossas demonstrações de afeto, nosso querer bem, nosso “eu te amo” sincero.

Abraça os teus pais enquanto estão aqui. Aproveita a companhia dos “velhos” ouvindo com atenção as histórias que carregam dentro de si; o jeito como nos olham revelando que ainda somos “suas crianças”; a maneira como se alegram quando estamos receptivos ao seu amor.

A vida cobra muito. É lição do filho para ajudar a resolver, prazos apertados no trabalho, ginástica para emagrecer, roupa para passar, chão para limpar, check up anual, faculdade, pós graduação, trânsito e pele boa. Nesse frenesi encontramos poucas brechas para o essencial.

Apressada com as lições do filhote e prazos do blog para resolver, disse que não poderia comparecer naquela tarde. Dias depois, ela contou que tinha colocado a mesa para um café com porcelana especial para mim e mimos para meu filho. Me despedacei. Pedi perdão, é claro, mas meu interior ainda se ressente.

Entre a infância e a velhice há um sopro de vida. Um sopro que deve ser valorizado antes que o tempo transforme promessas em arrependimento. Um instante que deve ser preenchido com saudades não consumadas, abraço aguardado, coragens necessárias, afetos declarados, gentilezas insistentes e acenos temporários.

Também vais gostar destes:
A saudade de quem já morreu
Saudades daqueles que não estão mais conosco.

Sempre pergunto quanto tempo dura uma vida inteira. Talvez menos do que a gente gostaria e nunca o suficiente para termos realizado tudo. Por isso torna-se primordial não adiar o essencial: café na caneca de ágata, menino na cadeira espiando a mãe fazendo bolacha de nata, sensibilidade revelada durante música antiga, amor vivido, arrependimento esquecido, saudade dizimada, mágoa dissipada, perdão concedido e, principalmente, abraço apertado em nossos pais…

Artigos Relacionados

Últimas

Bruno Savate reage ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final.

Bruno Savate reagiu ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final. A tensão e falta de respeito entre os concorrentes voltam a...

Érica Silva e André Lopes cada vez mais envolvidos. Mãe do concorrente já reagiu.

Érica Silva e André Lopes estão cada vez mais envolvidos e mãe do concorrente já reagiu. Durante uma conversa com Bárbara Parada e Ana...

A Ferver

Bruno Savate reage ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final.

Bruno Savate reagiu ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final. A tensão e falta de respeito entre os concorrentes voltam a...

Érica Silva e André Lopes cada vez mais envolvidos. Mãe do concorrente já reagiu.

Érica Silva e André Lopes estão cada vez mais envolvidos e mãe do concorrente já reagiu. Durante uma conversa com Bárbara Parada e Ana...