Não deixem o amor morrer.

Não deixem o amor morrer.

Já todos sabemos que não é um bebé que sustenta uma relação. Aquela máxima de “engravidar para segurar um homem” ou ter um filho para tentar salvar um casamento é crendice do passado.

Neste momento, acho que já todos temos consciência de que a relação do dia-a-dia, o amor, a cumplicidade, a união na saúde e na doença, a noção do lado lunar do outro, o respeito e a empatia já têm de vir de muito antes.

Se não vem – porque nunca antes havíamos sido confrontados com esse teste – tem de passar a haver. E a verdade é que um filho vem mudar muita coisa. Muda a casa, muda os horários, muda os estados de espírito, muda corações. E, ao mesmo tempo que os muda, acrescenta. E ao mesmo tempo que nos acrescenta uma força que não sabíamos que existia, acrescenta medos, acrescenta incertezas e traz ao de cima algumas das nossas maiores inseguranças e fragilidades.

Perante o assoberbamento que é ter um filho a depender totalmente de nós, ficamos expostos. Totalmente nus.

Com o nascimento a paixão, como todas as outras, deixa-nos meio anestesiados no início e com borboletas na barriga. É uma explosão tão grande de emoções que choramos, rimos, ora estamos tranquilos e orgulhosos a olhar para aquele ser a dormir, tão perfeito, tão nosso, ora estamos em rebuliço a achar que não damos conta. E é na soma desses dias, em que começamos uma nova vida – todos -, em que nos vamos conhecendo e redescobrindo, em que vemos nascer e crescer uma criança, mas também dois pais, que o amor se sustenta.

Se não conseguirmos esperar que o outro se reencontre, se não conseguirmos colocarmo-nos no lugar do outro e perceber que há muito por curar, há um corte e um luto com o passado por fazer, há até memórias de infância que surgem, inesperadas, há um nós que às vezes não reconhecemos e que demora a reconstruir-se ou a aceitar-se, há sono, há cansaço e há – acima de tudo – mais uma pessoa na equação.

Nem tudo vai continuar a ser igual. Arrisco-me a dizer que nada vai continuar a ser igual. E se no meio desta mudança, a relação não sobreviver, então não é amor. Porque o amor é compreensão, é paciência, é abertura para tentarmos encaixar novas rotinas e novos “eu” na história. Amar é tentar, é dar uma nova oportunidade, sabendo esperar.

O amor sobrevive a maus feitios, a zangas miúdas e a grandes, sobrevive a dias ou semanas com falta de sex@, a muito sono e a birras, de todos. Mas só sobrevive se for alimentado – mesmo com períodos de jejum-, só sobrevive se relativizarmos palavras afoitas ditas a meio de uma noite mal dormida, só sobrevive se dermos e recebermos e se tivermos noção de que amor não é só o prazer momentâneo e auto-satisfação.

Também vais gostar destes:
Um covarde é incapaz de demonstrar amor. Isso é privilégio dos corajosos.
Agradece ao ex por te ter ensinado o que não é o amor.

É abdicar também, é procurar também a felicidade do outro. Amar dá trabalho, ao mesmo tempo que não dá trabalho nenhum, porque, se de coração aberto, não custa nada.

Artigos Relacionados

Últimas

Irmão de Catarina Miranda lança crítica: “Também não aprecio esse tipo de pessoa…”

O irmão de Catarina Miranda lançou uma crítica. Na recente gala do "Big Brother", realizada no dia 12 de maio, Tomás Miranda destacou-se ao...

As palavras de Francisco Monteiro que deixaram avó de Catarina Miranda furiosa.

Já são conhecidas as palavras de Francisco Monteiro que deixaram avó de Catarina Miranda furiosa. A Gala do Big Brother foi palco de um...

A Ferver

Irmão de Catarina Miranda lança crítica: “Também não aprecio esse tipo de pessoa…”

O irmão de Catarina Miranda lançou uma crítica. Na recente gala do "Big Brother", realizada no dia 12 de maio, Tomás Miranda destacou-se ao...

As palavras de Francisco Monteiro que deixaram avó de Catarina Miranda furiosa.

Já são conhecidas as palavras de Francisco Monteiro que deixaram avó de Catarina Miranda furiosa. A Gala do Big Brother foi palco de um...