Atura-te a ti mesmo, por Ricardo Araújo Pereira!

Atura-te a ti mesmo, é uma reflexão realizada por Ricardo Araújo Pereira!

“Conhece-te a ti mesmo”, diziam os gregos. “Ama-te a ti mesmo”, recomendam os actuais gurus da auto-ajuda. São dois conselhos incompatíveis, pelo menos no meu caso. Ou bem que me conheço, ou bem que me amo.

Considerar ambas as sugestões ao mesmo tempo é impossível, e escolher apenas uma é inútil: a primeira tarefa é desinteressante e a segunda é imoral. Posto isto, tenho optado por andar a conhecer (e, inevitavelmente, a amar) os actuais gurus da auto-ajuda.

Aprendi três conceitos fundamentais: devo acreditar em mim, não desistir dos meus sonhos, e pensar positivo. Até aqui, a minha vida era orientada por três princípios bastante diferentes: desconfia de ti, deixa-te de sonhos, uma vez que não és a Cinderela, e pensa.

Estava tudo errado. Pensar não me permitia pensar positivo. Punha-me a pensar (creio que de forma neutra) e concluía que o pensamento positivo, isto é, a ideia segundo a qual nos acontecem coisas boas se pensarmos em coisas boas, era ridícula.

A minha experiência pessoal também não ajudava, na medida em que eu tinha passado toda a adolescência a pensar em coisas boas (seios, sobretudo) e não me tinham acontecido coisas boas (seios, por exemplo, nunca).

Também não me dedicava a sonhar, porque imaginava que a minha vida não tinha sido desenhada por Walt Disney.

Claro que houve momentos, durante a infância, em que fantasiei com o meu futuro, mas essas fantasias não se concretizaram, e é por isso que hoje não sou um cardiologista que cura pessoas durante o dia, combate o crime durante a noite e joga na equipa principal do Benfica ao fim-de-semana.

Por fim, estava habituado a desconfiar de mim. Por azar, nasci sem saber fazer nada, e por isso desenvolvi uma suspeita muito forte de que não conseguia fazer nada. Essa suspeita levava-me a tentar preparar-me, para aprender.

Um outro teórico disse há dias que a nossa mente se chama mente porque nos mente todos os dias. Suponho que, em inglês, a mente se chame “mind” porque a mente dos ingleses não é aldrabona. Má sorte ter nascido português.

O mesmo filósofo disse ainda que, se dividirmos ao meio a palavra “presente”, temos “pré-sente”, porque o presente é uma altura em que não estamos ainda a sentir teoria que ele postula num livro a que, sem receio de cacofonias, chamou “Agarra o agora”. E acrescentou que é impossível pensar e sentir ao mesmo tempo.

Também vais gostar destes:
Não há melhor amor do que o amor-próprio.
Diário de uma paixão: quando o amor resiste, persiste e vence.

São óptimas notícias para as vítimas de tortura. Basta que comecem a pensar e deixarão de sentir. Desde que não se esqueçam de pensar positivo.

Artigos Relacionados

Últimas

Bruno Savate reage ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final.

Bruno Savate reagiu ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final. A tensão e falta de respeito entre os concorrentes voltam a...

Érica Silva e André Lopes cada vez mais envolvidos. Mãe do concorrente já reagiu.

Érica Silva e André Lopes estão cada vez mais envolvidos e mãe do concorrente já reagiu. Durante uma conversa com Bárbara Parada e Ana...

A Ferver

Bruno Savate reage ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final.

Bruno Savate reagiu ao baixar de calças de Érica Silva no Desafio Final. A tensão e falta de respeito entre os concorrentes voltam a...

Érica Silva e André Lopes cada vez mais envolvidos. Mãe do concorrente já reagiu.

Érica Silva e André Lopes estão cada vez mais envolvidos e mãe do concorrente já reagiu. Durante uma conversa com Bárbara Parada e Ana...