O aborto é um assunto muito polémico, mas a verdade é que mulheres do mundo inteiro, pelas mais variadas razões, continuam a desfazer-se dos filhos. O homem que se segue não conseguiu ficar indiferente a essa situação, e resolveu fazer algo muito comovente.
Em 2001, um vietnamita chamado Tong Phuoc Phuc foi para o hospital com a esposa grávida, alguns dias antes de o filho nascer. Enquanto lá esteve, ele reparou que muitas mulheres entravam na sala de operações, mas saiam de lá sem os bebés. Ele ficou intrigado: “O que está a acontecer aqui?”. Quando ele descobriu a razão, não conseguiu conter as lágrimas…
Elas estavam lá para abortar e não para dar à luz. O homem ficou muito triste ao pensar que aquelas crianças perdiam direito à vida. Foi aí que ele resolveu fazer algo emocionante.
O antigo trabalhador da construção civil perguntou se podia levar os corpos dos recém-nascidos para sepultar. Depois, ele comprou um terreno, com as suas escassas economias, e fez um cemitério para os fetos.
Tong já faz isso há 15 anos, e, desde o ínicio, já sepultou mais de 10.000 bebés. Mas a verdadeira intenção desse homem não era dar um enterro digno aos recém-nascidos…

O cemitério que ele fez tinha como objetivo sensibilizar as grávidas que estivessem na dúvida se queriam abortar ou não. Muitas mulheres foram pedir conselhos e ajuda ao vietnamita. Para além de ele honrar a memória das falecidas crianças, também ajudava futuras vidas!
E o que é que acontecia com aquelas pessoas que não tinham posses para cuidar dos filhos? Ele adotava as crianças, até que as mães pudessem voltar a ficar com elas. Se isso não fosse possível, ele próprio as educava e criava.
Atualmente, Tong dá abrigo a mais de 100 crianças. Como são muitos nomes para decorar, ele resolveu chamar todas as meninas de Coração, e os meninos de Honra. Ele cuida de todos eles como se fossem filhos biológicos…

Também vais gostar destes:
OS 18 magníficos objectos que facilitam a vida de quem tem bebés!
Uma cena emocionante foi presenciada entre dois bebés prematuros.

Continuarei esse trabalho até o dia que morrer, e espero que os meus filhos continuem a fazer o mesmo quando já não estiver no mundo”.
Esse homem é a prova de que o verdadeiro pai nem sempre é de sangue, mas sim de coração. Vê as imagens:

FONTEHistórias com valor

Partilha