Ela chama-se Isaura e vive sem qualquer tipo de apoio social conjuntamente com o marido por não reunirem os critérios para auferir de qualquer subsidio. Este casal português de idosos residente em de Valpaços vive numa habitação sem as mínimas condições para as suas necessidades básicas, em especial dinheiro para se alimentarem.

Também vais gostar destes:
Instituição Particular de Solidariedade Social paga multa por dar de comer aos pobres.Sistema educacional Finlandês dá lição ao Português. Andamos a fazer tudo ao contrário.

“Batemos à porta de Isaura Teixugueira, no bairro das Lages, e com um sorriso no rosto mandou-nos entrar, dando-nos conta da falta de recursos e dignidade humana, numa habitação em tijolos, e sem uma casa de banho.
O marido de Isaura não estava em casa, saiu de manhã com o rebanho e só volta depois do pôr-do-sol.
O casal sobrevive sem um único apoio, está fora dos programas sociais, não recebe o Rendimento Social de Inserção, não tem ajuda dos vizinhos e o pouco dinheiro, cerca de 50 euros por mês, é para pagar as contas mensais.
A saúde não abunda, não há dinheiro para comprar fármacos e a carência de nutrição motiva mais problemas.

Isaura tem vergonha de pedir ajuda, apenas e só, porque não quer incomodar.

O pior é quando falta a comida, o que acontece várias vezes ao longo do mês, e a alimentação é à base de batata e couve, aquilo que a terra vai dando.
É também preciso fazer pequenas obras, para que o frio do inverno não invada os seus dias.
Com um brilho nos olhos de esperança por melhores dias, Isaura não abdica de ir trabalhar para o campo, a guardar o gado que não lhes pertence e que na hora de vender, o dinheiro é para dividir com o proprietário.
E é com fé que vai ultrapassando as angústias do dia-a-dia.
Numa altura em que se fala tanto da necessidade de despertar consciências para a existência de casos de pobreza extrema, ninguém deveria ficar indiferente ao facto de haver quem viva em plena miséria, sem uma casa de banho digna.
Este é apenas um, dos muitos casos de pessoas que vivem em condições sub-humanas e de profunda miséria.”