As nossas emoções negativas, tensões e stress acumulados têm um impacto directo nas dores nas costas e hoje iremos falar disso.
É muito importante manter uma postura saudável e que não sobrecarregue o nosso eixo corporal já que isso, além de dores nas costas, pode provocar dores de cabeça e desconforto gástrico.
Factores como o desgaste ósseo e articular ou as más posturas mantidas durante tempos prolongados, provocam muitas vezes dores nas costas.
Mas além disso, também não podemos ignorar o impacto que as emoções têm não só na nossa vida, mas também no nosso corpo. O stress, as preocupações ou uma ansiedade mantida de forma crónica acabam por produzir uma sobrecarga nas costas.
Mas como pode isso acontecer, e como algo que é gerado essencialmente no cérebro pode ter impacto nesse eixo quase perfeito que forma a nossa coluna vertebral?
O conceito de coluna refere-se a esse suporte vertical que permite aguentar um peso, enquanto que a palavra vertebral engloba todo esse complexo conjunto de ossos curtos e articulados entre si, que formam a espinha de todos os seres vivos vertebrados.
As nossas costas são, na realidade o eixo mais importante do corpo, um pilar ósseo e muscular que nos proporciona vida e resistência, e sobre o qual, por vezes, acrescentamos um peso “extra” com nossas emoções negativas.
As emoções negativas produzem alterações metabólicas. E isso é algo que devemos ter muito claro: a alteração das nossas hormonas e neurotransmissores provoca o aumento do cortisol no sangre, do ritmo cardíaco… E tudo isso produz alterações em vários órgãos.

Quando acontece um “aceleramento” geral, tudo isso se traduz em tensão muscular, em músculos rígidos que alteram o equilíbrio dos nervos e dos ligamentos.
A coluna vertebral  não fica isenta de todas estas variações e, por isso, é frequente que a dor emocional seja traduzida também em dor cervical ou lombar.
Para que exista bem-estar na região das cervicais é necessário equilíbrio e harmonia de movimentos. É uma zona que precisa sempre de uma flexibilidade muscular adequada para que não surjam problemas.
Esta região cervical é a mais afectada pelo stress laboral e pelas preocupações. É um tipo de estrutura musculoesquelética superior que se vai ressentir, principalmente, pelo trabalho diário e pelas ansiedades menos intensas e específicas de seus dias.
Para combater este tipo de dor, vale a pena se mentalizar de que todas as manhãs precisas enfrentar o dia com mais calma e equilíbrio.
O ideal é realizar exercícios suaves e harmónicos mexendo a cabeça em círculos, e  repetindo o mesmo, depois, com seus ombros.
De que forma as emoções afectam esta parte das nossas costas? É fácil de entender e, certamente, que alguns destes aspectos serão familiares:
Uma pessoa deprimida, desanimada ou triste tende a manter o olhar para baixo e um eixo corporal inclinado.

Também vais gostar destes:
Lê esta informação, ela pode ser a razão da dor nas tuas costas.
Elimina a dor nas costas e no pescoço sem medicação!

A actividade física torna-se limitada, passamos muito tempo sentados, com o pescoço projectado para frente e com o diafragma não funcionando com a agilidade que deveria.
Tudo nos pesa, a respiração se torna mais lenta, a circulação do sangue não é a mais adequada e é muito provável que sintamos dor de cabeça, dor de estômago ou pressão no peito.
Tudo isso deriva desse eixo postural incorrecto e dessa sobrecarga na região dorsal. É importante produzir movimento no nosso corpo: sair para passear, tomar sol, etc.
Fornecer equilíbrio às nossas costas e desabafar as nossas emoções negativas  são  factores chaves para combater a dor nesta região torácica.
A Dor na região lombar além de ser afectada pelo desgaste e pelas más posturas, é também afectada por emoções relacionadas com os medos, a ansiedade ou mesmo com a pressa.
É frequente em pessoas que se preocupam muito com os outros e se descuidam delas próprias. Passam muito tempo de pé, fazendo muitas coisas ao mesmo tempo, enquanto têm a sensação que não vão conseguir fazer tudo, que não vão acabar bem, que não têm tempo para si mesma.

FONTEMelhor com saúde

Partilha