Crianças falam palavras de amor e de ódio a 2 frascos com arroz e causam efeito incrível.

Para provar aos seus alunos que as palavras têm força, uma professora, decidiu reproduzir uma experiência feita com arroz que foi criado pelo cientista japonês Masaru Emoto.

O intuito de Emoto com o estudo feito por um mês era o de mostrar a influência que o amor, o ódio e a indiferença exercem sobre a vida das pessoas. O resultado deixou os alunos, que têm entre 10 e 11 anos, impressionados e fez com que eles mudassem suas atitudes.

Experiência com arroz mostra o poder das palavras

Primeiro, a professora colocou a mesma quantidade de arroz cozido em dois frascos de vidro. Em seguida, fez um círculo com as crianças e pediu para que elas dissessem para o frasco frases más que costumam ouvir.

“As crianças disseram palavras negativas e coisas como ‘és burro’, ‘és chato’, ‘idiota’, ‘eu te odeio-te’, ‘não consegues’, ‘não és capaz’ e até ‘vou te matar’, porque foi uma frase usada pelo Masaru Emoto na experiência dele, explica a professora.

Para o outro frasco, ela pediu que os estudantes dissessem apenas palavras positivas, coisas que eles gostariam de ouvir das pessoas com quem conversavam e conviviam.

“Os alunos disseram que o arroz era importante para eles, especial, que ele era capaz, que podia fazer qualquer coisa que quisesse, que ele era especial e também frases como ‘nós gostamos de ti’, ‘és meu amigo’, ‘por favor’ e ‘muito obrigado'”, relembra a professora.

Depois de “ouvir” as frases, os dois frascos foram fechados e permaneceram assim por dois meses.

Passados dois meses, o arroz colocado no frasco “do amor” fermentou naturalmente. Já o arroz colocado no frasco “do ódio”, embolorou.

Palavras de amor
Palavras de amor

“Foi um resultado bem significativo e as crianças ficaram impressionadas. O arroz abençoado ficou amarelinho com um cheiro adocicado, mas estava intacto. O que ficou no pote do ódio ficou feio, fedido, estragou”, comenta a professora

Segundo Emoto, os pensamentos dos seres humanos geram emoções e reações bioquímicas que se manifestam nos organismos em três sistemas diferentes: imunitário, nervoso central e endócrino.

O primeiro teste do cientista foi feito com a água. O cientista submeteu moléculas de água a diferentes sentimentos humanos, pensamentos e músicas e depois fotografou os cristais formados pela água com um equipamento específico para captar os efeitos.

As amostras de água que foram expostas a palavras bonitas, como “verdade”, “sabedoria”, “obrigado”, “eterno”, “amor” e “gratidão” formaram cristais lindos. O mesmo aconteceu com as que foram expostas à música “Imagine”, de John Lenon, e a uma sinfonia de Mozart.

Já as amostras expostas a uma música heavy metal, à palavra “mal” e à frase “você me enoja” ficaram turvas e não formaram cristais.

Experiência com arroz

A segundo experiência foi feita com arroz. Desta vez, Emoto colocou arroz cru em três frascos iguais de vidro, cobriu os grãos com água e todos os dias, por um mês, ele disse “obrigado” ao primeiro pote, “és um idiota” para o segundo e ignorou completamente o terceiro.

O arroz que “ouvia” a palavra “obrigado” começou a fermentar e a soltar um forte e agradável aroma natural. O arroz do segundo frasco ficou escuro e o arroz que foi ignorado mofou.

Com isto, o cientista tirou uma importante lição: é importante dar atenção às pessoas e conversar com elas, principalmente com as crianças, porque a indiferença é o que provoca o maior estrago na vida das pessoas.

Também vais gostar destes:
Trocar o arroz branco pelo integral equivale a leve caminhada de 30 minutos, aponta pesquisa.
Falso arroz de plástico produzido na China é ameaça que se pode espalhar pelo mundo inteiro.

Mudança na atitude das crianças
De acordo com Ana Paula, seus alunos passaram a elogiar e incentivar mais os colegas e agora tomam mais cuidado com o que falam, evitando as palavras negativas.

Eu tenho um filho de 10 anos e ele vive falando que prefere morrer do que fazer tal coisa. Quando a gente só fala que eles não devem fazer isto, não entendem. Quando mostramos na prática, é diferente, entendem o que queremos dizer“, comemora Ana Paula.

FONTEVix

Partilha