O fisco esbanjou 10.000 milhões para offshores sem controlar transferências. Foram um conjunto de transferências realizadas, entre 2011 e 2014, comunicadas pelos bancos e que não foram alvo de controlo pelo Fisco e estavam omissas das estatísticas.

Segundo noticia o jornal Público, um conjunto de transferências de dinheiro, feitas entre 2011 e 2014, não foram alvo de controlo por parte do Fisco, embora tenham sido comunicadas pelas instituições financeiras como obriga a lei.

Esta omissão foi detetada quando, entre final de 2015 e início de 2016, foi retomada a análise estatística e divulgação das transferências para as offshores.

Os primeiros ficheiros do Fisco apontavam para 7.162 milhões de euros desviados para offshores, de 2011 a 2014, agora o valor apurado é mais do dobro, ou seja, 16.964 milhões.

São 20 declarações apresentadas por instituições financeiras que não mereceram qualquer tipo de tratamento por parte do Fisco, num valor médio de 490 milhões por declaração.

Também vais gostar destes:
Em 45 dias este homem recebeu 1500 cartas do Fisco.
Mulher sai de casa aborrecida e deixa-o sozinho com o filho. 2 dias depois, ela recebe essa carta.

Portugal tem de longe a maior lista de paraísos fiscais da Europa“, defendendo que a lista de offshores “deve ser reduzida” e que a estratégia deve privilegiar os acordos de troca de informação, afirmou o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade.
FONTETvi24