É isso mesmo: Os médicos afirmam que em breve homens poderão engravidar!
A capacidade de gerar um filho é um dos maiores presentes femininos e característica dominante do género. Muitas mulheres planeiam e sonham com a maternidade, considerando isso um dos fatores essenciais para que elas sejam completas e felizes. Esse sonho, porém, sofre algumas limitações em alguns casos de doenças de saúde ou de malformação. A cada cinco mil mulheres, uma nasce com os ovários, mas sem o útero.
Mas, ainda que seja uma realidade comum, a questão de infertilidade poderá mudar em breve. Uma clínica dos EUA anunciou o transplante temporário de útero. Nos próximos meses, Cleveland Clinic, espera conseguir implantar com sucesso o órgão em mulheres que não o possuem ou nos casos em que ele apresenta alguma deformidade. Sempre existe a possibilidade de adpoção, obviamente, mas isso não é uma obrigação. Muitas mulheres, por questões pessoais, culturais, doutrinais, acabam deixando o sonho da maternidade de lado.
Com essa possibilidade de colocar um útero saudável em mulheres que não o possuem, era muito provável que surgiria uma questão importante: os homens, então, poderiam passar por esse tipo de procedimento? Os especialistas dizem que Sim!

O processo seria muito mais complicado, pois, a princípio, seria muito mais indicado em mulheres transgéneras. Pois, apesar de terem nascido em corpos masculinos, já estão em processo de adequação de género. Seria preciso a criação de um canal vaginal e remodelar toda a sua estrutura da pélvis para preparar o corpo para a gestação. Além disso, seria necessário tomar uma quantidade enorme de hormonas para que o corpo suporte as mudanças que ocorrem durante a gravidez. Isso é muito comum em mulheres na menopausa que tentam engravidar.

Também vais gostar destes:
Os dramas de uma mãe durante a gravidez!
Gestantes não devem beber uma só gota de álcool em qualquer fase da gravidez!

Em qualquer um dos casos, mulheres, transgéneras- e quem sabe, homens- a gestação não teria como ser totalmente natural. Apenas o útero seria implantado. Não havendo ligação com as trompas de Falópio de que já as possui. Por isso, a fertilização in vitro, com posterior implante do embrião em quem recebeu o órgão.