Joacine quer por um fim aos painéis do Salão Nobre da AR.

Joacine quer por um fim aos painéis do Salão Nobre da AR. Para ela: “urge contextualizar os problemáticos painéis presentes no Salão Nobre, na medida em que garantem o prolongamento da visão do Estado Novo da normalização da subjugação de outros povos e culturas e demais violências associadas, assim como da glorificação do passado colonial português”.

a deputada diz também que “as sete pinturas em causa chocam pela forma como os pintores escolheram retratar os povos colonizados, em posições de subalternidade, permissividade e infantilidade e pela forma heróica como retrataram o poder colonial e a sua empresa, normalizando-a e a toda a sua violência, omitindo os impactos dessa subjugação nos povos e territórios capturados e explorados”.

“A exposição destas sete pinturas no espaço das recepções oficiais – e muitas vezes onde são recebidos Chefes de Estado, diplomatas e entidades oriundas dos países ali humilhados – contribui para a naturalização da subjugação dos povos, a relativização ou omissão da repressão, da opressão e da exploração coloniais, numa perspectiva da história que permanece colonial, que é racista e que é pretensiosamente “só” na negação constante de factos históricos que recordam o passado de violência e subjugação”, diz.

E continua: “não se pede à Assembleia da República que tome posição face às conhecidas violências do colonialismo português, mas que não contribua para a sua normalização mantendo sem qualquer visão crítica os sete painéis coloniais e do colonialismo”.

“O Estado português e as suas instituições têm a função da autocrítica, da consciência sobre a necessidade de não contribuírem para a discriminação, o racismo e a xenofobia que as suas peças e a visualidade destas podem originar”, salienta.

Por esse motivo ela considera que se deve criar “condições para a recontextualização e enquadramento histórico crítico das peças, pinturas e estátuas da e referentes à época colonial portuguesa presentes nas instituições e colecções públicas, que tenha em conta a nova historiografia e movimentos sociais para a Descolonização da Cultura” e que “lute contra o negacionismo historiográfico e público que procura relativizar e escamotear a violência da História colonial nacional”.

Joacine é ainda da opinião que se “incite a Assembleia da República à colocação urgente de textos introdutórios, textos de parede ou tabelas com a recontextualização das sete pinturas presentes no Salão Nobre da Assembleia da República através de uma visão critica da história colonial, que reconheça a violência simbólica e efectiva presente nas peças em exposição”

Ela termina aconselhando o governo que se “planifique a retirada das sete pinturas do Salão Nobre para um espaço museológico, onde os mesmos poderão ser expostos ao público com o enquadramento científico e museológico adequados, passíveis de visitas guiadas e integradas em colecções específicas”.

Artigos Relacionados

Últimas

Esta é Joana Villas-Boas, a NOVA primeira-dama do FC Porto.

Joana Villas-Boas é a NOVA primeira-dama do FC Porto. André Villas-Boas ascendeu à presidência do FC Porto, sucedendo a Pinto da Costa após quatro...

Canal aposta no regresso de Judite Sousa.

Um canal de televisão vai apostar no regresso de Judite Sousa. Aos 63 anos, a renomada jornalista prepara-se para uma nova etapa na sua...

A Ferver

Esta é Joana Villas-Boas, a NOVA primeira-dama do FC Porto.

Joana Villas-Boas é a NOVA primeira-dama do FC Porto. André Villas-Boas ascendeu à presidência do FC Porto, sucedendo a Pinto da Costa após quatro...

Canal aposta no regresso de Judite Sousa.

Um canal de televisão vai apostar no regresso de Judite Sousa. Aos 63 anos, a renomada jornalista prepara-se para uma nova etapa na sua...