Quando desistires, desiste por completo. Temos, muitas vezes, medo de desistir das coisas e das pessoas, porque pensamos que talvez não consigamos sobreviver longe daquilo tudo.

Preferimos, assim, perpetuar a dor a cortá-la de uma vez por todas, por medo de sofrer. No entanto, dessa forma mantemos um sofrimento diário junto de nós. Se vamos sofrer de qualquer jeito, que seja pela partida da dor.

O que une duas pessoas deve ser sempre o amor, nunca uma hesitação, mas sim uma certeza. Permanecer ao lado de alguém por comodismo é muito pior do que estar sozinho, pois dessa maneira se opta por uma solidão acompanhada.

Isso também em relação às amizades. Existem pessoas que se afastam e se reaproximam de um amigo, inúmeras vezes. Forma-se, assim, um ciclo vicioso: confia-se, decepciona-se, afasta-se, reaproxima-se e começa tudo de novo. Trata-se, nesses casos, de auto-estimas fragilizadas, que precisam se sentir amadas a todo custo, enquanto ocorre a banalização do amor próprio e do perdão, já que, dessa forma, deve-se desculpar o outro sem parar.

Na verdade, quando temos muitas dúvidas em relação a algo, possivelmente quer dizer que aquilo não traz alegria para as nossas vidas, afinal, o que é verdadeiro sempre carrega certezas, carrega inteireza e completude.

Se não tivermos certeza, é preciso tomar distância, para que possamos analisar a real significância daquilo na nossa jornada. E isso requer tempo, coragem e determinação.

Também vais gostar destes:
O dia em que fui embora sem se quer desistir de ti.
Obrigado por desistires de mim, obrigado por nunca teres acreditado que eu seria capaz.

Facto é que o que permanece com verdade nas nossas vidas não traz dúvida alguma; se houver hesitação, é necessário parar e tomar uma atitude segura quanto ao que incomoda, o que, muitas vezes, implica desistir de uma vez por todas. Daí a importância de nos entregarmos por inteiro ao que temos, para que não temamos desistir por completo quando precisarmos.

TEXTOMarcel Camargo (adaptado)

Partilha