Uma secreta passagem de Passos Coelho pelo Partido Comunista.

Uma secreta passagem de Passos Coelho pelo Partido Comunista.

Pedro tinha 13 anos e estava fascinado. “Então tu tratas o Álvaro Cunhal por tu? Olha que ele não é da nossa idade”, disse, espantado, a Paulo Rui, o colega de carteira que o tinha convencido a ir ao congresso da União dos Estudantes Comunistas (UEC).

Paulo Rui era membro da comissão central da UEC e explicou ao amigo que ali todos se tratavam por tu. Pedro continuava impressionado: “Isto é que é socialismo.” O fascínio do primeiro-ministro pela ideologia comunista no início da adolescência não é segredo e, na última biografia, Passos Coelho afirmou-o com todas as letras: “Fui atraído por aquele sentimento de que a esquerda tem de estar na grande ‘marcha’, sentir que se faz parte de uma coisa muito grande que muda o mundo. Foi também um gesto de rebeldia em relação a uma sociedade muito limitada como era, à época, Vila Real.

O congresso da UECdurou dois dias e era preciso um sítio para passar a noite. Pedro e o colega de carteira foram acolhidos por uns “camaradas” nos arredores de Setúbal. Os pais não imaginavam onde andava. “Para ir comigo foi um 31”, recorda Paulo Rui. António Passos Coelho estava prestes a tornar-se líder da distrital do PSD de Vila Real e era assumidamente anticomunista. Contou-se-lhe que Pedro iria vindimar para a terra da mãe de Paulo Rui, perto de Vila Pouca de Aguiar. Mas a irmã, Teresa, rapidamente descobriu que a história era falsa. Na última biografia do irmão, conta como foi dar com ele a fazer a mala e achou que a roupa não era apropriada para uma vindima. Insistiu que lhe contasse a verdade e Pedro acabou por confessar: “Vou a um congresso a Lisboa.” Teresa, que já era estudante de Medicina, ainda tentou demovê-lo. Ou convencê-lo a, pelo menos, contar aos pais. Acabaram por chegar a um acordo. “Não digo nada aos pais, mas telefonas assim que chegares a Lisboa.

O rapaz que cantava árias Paulo Rui e Pedro tinham-se tornado amigos no sétimo ano, no liceu de Vila Real – numa altura em que também por lá andavam José Sócrates (numa curta passagem antes de ir estudar para a Guarda), Ascenso Simões ou o músico Luís Portugal. Pedro era o melhor da turma – “tirava 19 a quase tudo” –, ainda que um rapaz solitário e “muito certinho”. Na noite de 1 de Dezembro, quando se repetia a tradição de roubar galinhas para fazer a ceia, era-lhe dada a tarefa mais simples: segurava só na lanterna e avisava se vinha polícia.

Em casa imperava um regime ditatorial e tudo o que o pai, médico pneumologista, dizia era lei. Pedro tinha um irmão mais velho, deficiente profundo, e era com ele, a mãe e duas criadas que passava o tempo. Álvaro e Paulo Rui, amigos da escola, iam lá ter. Talvez por não poder sair do apartamento T4 – que, por ironia, hoje fica paredes-meias com o Centro de Trabalho do PCP de Vila Real –, Pedro lia muito. Felícia Cabrita conta, na primeira biografia do primeiro--ministro, que foi na biblioteca do pai que Passos leu os primeiros livros sobre o marxismo-leninismo. Pela mesma altura leu Sartre, Camus, Nietzsche, Sócrates e Russel. Ouvia discos de música clássica – ao contrário dos colegas, que preferiam Pink Floyd e Doors – e aprendeu a cantar ópera. “Era um tenor extraordinário e aprendeu sozinho, a ouvir os discos da Maria Callas”, conta Paulo Rui.

Também vais gostar destes:
A verdade da política Europeia é esta: eles vivem de mordomias e luxos! Um verdadeiro choque!
Fraude de milhões leva Christine Lagarde a julgamento.

O amigo, criado numa família de simpatizantes do MRPP, era comunista convicto desde os 12 anos, altura em que se apaixonou pela bandeira. “Senti qualquer coisa. Não sabendo ao certo o que era o partido ou a ideologia, gostei da cor e do símbolo”, recorda. Quando foi bater à porta do Centro de Trabalho do partido para comprar uma bandeira, deu de caras com um professor. Começou a ir às reuniões e a fazer segurança às instalações e, com 13 anos, já acumulava responsabilidades. “Éramos poucos e, por isso, apesar de novos, tínhamos logo muito que fazer”, recorda Paulo Rui, que ainda se voluntariou para rumar até à União Soviética. “Ia por oito anos, no âmbito de um intercâmbio com um rapaz russo, mas Portugal recusou-lhe o visto de entrada e, por uma questão de solidariedade, acabei por não viajar”, recorda.

O afastamento

Depois da viagem a Lisboa, Pedro desapareceu e só regressou dias depois, mudado. Paulo Rui não teve coragem de lhe perguntar o que tinha acontecido, mas sentiu o afastamento. Por esses dias, conta Felícia Cabrita na biografia “Um Homem Invulgar”, Passos fez uma confissão ao amigo Álvaro. “As utopias são muito bonitas. Mas, como se tem visto, impraticáveis”, disse-lhe

Noutro livro, “Mudar”, o primeiro-ministro admite que os primeiros contactos com a política foram “a novidade e a enorme explosão e participação”. “Como tudo dependia dos contactos juvenis, as minhas relações iniciais foram com um grupo de estudantes comunistas. Houve ali muita discussão, muita conversa, cheguei mesmo a ir, como observador, a um congresso da União de Estudantes Comunistas na região de Lisboa”, admite.

Antes, e a partir dos 14 anos, Passos nunca mais largou a JSD. Nada que surpreenda o colega de carteira, que entretanto deixou de militar no Partido Comunista. Há oito anos, Paulo Rui fez uma profecia numa conversa com um amigo, num café de Guimarães. “Este tipo, o Passos Coelho, vai ser primeiro-ministro.” O amigo, que não sabia das raízes comuns, respondeu-lhe com um “isso é ridículo”. Mas Paulo Rui tinha a certeza. “A dada altura, ele tornou-se carreirista e o destino foi desenhado pelo pai para chegar até aqui. E bem desenhado”, acredita.

O reencontro

Muitos anos depois, Passos voltou a cruzar-se de perto com o Partido Comunista. Em 1997, já quase no final do mandato como deputado na Assembleia da República, foi convidado pelo PSD da Amadora para se candidatar à câmara, que era comunista. Os sociais-democratas perderam as eleições – o PS conseguiu roubar a autarquia aos comunistas –, mas Passos ficou como vereador, ainda que sem pelouros.

Por essa altura cruzou-se com Artur Pereira, à época militante do PCP e que acompanhava a vida da câmara. Passos nunca escondeu a passagem pela UEC – falava disso com “naturalidade” – e Artur Pereira está convencido de que a experiência do início da adolescência deixou marcas na postura do primeiro–ministro. “Talvez lhe tenha dado alguma envolvência democrática. Enquanto esteve na Amadora, demonstrou sempre uma disponibilidade muito grande para conversar e conviver com outras realidades ideológicas”, considera.

Nessa altura, e mesmo durante o período de campanha, Passos jantava com os comunistas. Alguns tornaram-se amigos pessoais. “Ele nunca confunde amizades e política”, justifica Artur Pereira. De tal forma que, mais tarde, convidou o consultor de comunicação para trabalhar na sua campanha interna quando decidiu candidatar-se à liderança do partido. “Mas eu não sou do PSD”, respondeu-lhe Artur Pereira. Passos respondeu que isso não tinha importância. O consultor acredita que Passos tem “um respeito muito particular” pelo PCP e que isso é perceptível nas conversas com o primeiro-ministro. “A maneira como fala da história e dos militantes comunistas é diferente da maneira como fala de outros partidos”, defende. Esse “respeito maior” será também perceptível na maneira como Passos se dirige à bancada comunista na Assembleia da República? João Oliveira, o líder parlamentar do PCP, prefere não comentar.

Artigos Relacionados

Últimas

Confere as primeiras fotos do filho de Isa Oliveira e Domingos Terra.

Já existem as primeiras fotos do filho de Isa Oliveira e Domingos Terra. A jovem, conhecida pela sua participação no "O Triângulo", partilhou com...

Panelo confessa que está apaixonado por Margarida Castro e esquece-se do microfone ligado.

Panelo confessou que está apaixonado por Margarida Castro e esqueceu-se do microfone ligado. Panelo e Gabriel Sousa, desafiando as normas, optaram por um passeio...

A Ferver

Confere as primeiras fotos do filho de Isa Oliveira e Domingos Terra.

Já existem as primeiras fotos do filho de Isa Oliveira e Domingos Terra. A jovem, conhecida pela sua participação no "O Triângulo", partilhou com...

Panelo confessa que está apaixonado por Margarida Castro e esquece-se do microfone ligado.

Panelo confessou que está apaixonado por Margarida Castro e esqueceu-se do microfone ligado. Panelo e Gabriel Sousa, desafiando as normas, optaram por um passeio...