Todos sabem que o excesso de álcool é altamente prejudicial à saúde. No entanto, a substância parece ser especialmente agressiva ao organismo da mulher. Estudos que investigaram a relação entre o consumo frequente da bebida e a incidência do cancro de mama revelaram que a população feminina que tem este hábito está sob sério risco de desenvolver a doença.

Estudos
Para se ter uma ideia, para a mulher que costuma beber diariamente, a ingestão de apenas uma taça de vinho é suficiente para aumentar seu risco de contrair cancro de mama em até 7%. Com duas taças de vinho, o aumento é de 14%, e assim por diante. Quem fornece esta informação é o radioterapeuta e professor Dr. Luis Pinillos Ashton, ex-ministro da Saúde do Peru e fundador do Instituto Internacional de Investigação para a Prevenção (IPRI, na sigla em inglês). “O consumo de álcool tem uma relação dose-efeito, ou seja, provoca um aumento progressivo no risco de cancro de mama”, explica.
O especialista baseia-se numa análise feita em 2002, publicada no British Journal of Cancer, que observou o resultado de 53 estudos sobre a relação entre consumo de álcool e risco de cancro de mama em mulheres (no total, 58 mil casos foram considerados no trabalho). Concluiu-se que aquelas que consumiam mais de 45 gramas de álcool por dia (aproximadamente 3 drinques) tinham 1,5 vezes mais chances de desenvolver a doença do que as que não bebiam. O risco da doença aumentava progressivamente conforme o consumo de álcool era maior: para cada 10 gramas da bebida consumida por dia (menos de 1 drinque), a incidência do câncer de mama crescia 7%.
Outro estudo, mais recente (2009), publicado pelo Journal of the National Cancer Institute, do Reino Unido, não só comprovou os dados anteriores como revelou um cenário ainda mais grave. Após a análise de mais de 28 mil mulheres com cancro de mama, conclui-se que 10 gramas de álcool consumidas por dia aumentavam em 12% o risco.
Álcool e outros tipos de cancro
Ainda de acordo com o Dr. Pillinos, a ingestão de bebidas alcoólicas é fator de risco para outros tipos de cancro, tanto em homens quanto em mulheres, como:
Cavidade oral
Trato respiratório (agravado se associado ao consumo de cigarro)
Esôfago
Colorretal (intestino grosso e reto)
Fígado.

Por que o álcool causa cancro?

Além de conter possíveis agentes cancerígenos, o álcool eleva o nível de estrogénio no sangue, hormona ligada ao cancro de mama.
Os pesquisadores conseguiram identificar alguns factores que explicam por que o álcool aumenta o risco de cancro:
Quando cai no organismo, o álcool é quebrado, gerando alguns subprodutos. Um deles é o etanal, um químico tóxico que provavelmente é cancerígeno aos humanos.
O álcool gera um processo de oxidação que pode danificar células do DNA, proteínas e lipídios.
Ele também é capaz de reduzir a capacidade do corpo de absorver vários nutrientes que podem estar associados ao risco de câncer, incluindo vitaminas A, C, D, E e do complexo B, assim como carotenoides.
Por fim, bebidas alcoólicas podem conter uma variedade de cancerígenos que são introduzidos durante o processo de fermentação e produção, como nitrosaminas, fibras de asbesto, Compostos fenólicos e hidrocarbonetos.