Stress, fome, postura e cansaço são alguns dos factores que associamos à dor de cabeça, um sintoma chato, mas que todos já sentiram na vida. Mas existem situações em que ela não deve, de maneira nenhuma, ser ignorada. A seguir, o neurologista Renato Anghinah, do Hospital Samaritano (São Paulo), explica em quais situações a dor de cabeça é preocupante e pode ser sinal de um AVC. Confere a seguir.
Dor de cabeça: tipos graves que podem ser AVC
O neurologista explica que existem tipos de dor de cabeça que são mais preocupantes e, para identificá-los, é preciso observar o padrão, frequência e evolução da dor. Por exemplo, caso a dor não melhore ou apareça frequentemente, o ideal é procurar um médico para tratar o problema.
Além disso, existem algumas características da dor que indicam que deves procurar um serviço médico de urgência em função do risco de ter um AVC. São elas:

Dor de cabeça súbita
A dor de cabeça que surge de repente e em poucos segundos torna-se muito intensa merece toda a atenção. Isso porque, de acordo com Renato Anghinah, pode se tratar de uma ruptura ou distensão de aneurisma cerebral.
A ruptura de um aneurisma gera um Acidente Vascular Cerebral (AVC), ou seja, o extravasamento de sangue do vaso para o tecido cerebral.
A confusão entre os sintomas pode causar demora em procurar atendimento e agravar as sequelas do AVC.
Um AVC hemorrágico acontece quando um vaso “estoura” no cérebro
Dor de cabeça incomum
Caso a dor seja fora do comum, ou seja, diferente do incómodo que aparece com mais frequência e a que tu, de certa maneira, já estás acostumado, procure um serviço médico. Um novo sintoma pode ter causas mais brandas – como postura, alimentação ou stress –, mas também pode estar relacionado a um derrame.

Acompanhada de outros sintomas

Se a dor for acompanhada de outro sintoma de origem neurológica, como fraqueza muscular, confusão mental, alteração visual, dificuldade de fala ou ao caminhar, por exemplo, é indicado ir ao pronto-socorro imediatamente.
Acompanhada desses hábitos
Pessoas que cultivam alguns maus hábitos de saúde ou têm algumas doenças têm mais chances de ter um AVC isquémico ou hemorrágico. São eles:

Consumo excessivo de bebidas alcoólica;
Tabagismo;
Tensão alta;
Sedentarismo;
Diabetes;
Uso de drogas;
Stress.